Colunistas

Teresa Cristina: “Estou me permitindo deixar a felicidade chegar”

Por:
2 minutos

Com suas lives diárias, a sambista ajudou a aliviar um pouco a tensão do momento inicial da pandemia. Junto com Angélica, ela reflete sobre a relação da música com o bem-estar

Uma playlist para relaxar numa tarde de domingo, outra para se animar num sextou, uma terceira para manter a cabeça e o corpo em sintonia durante a semana. A música é essencial na nossa vida e está diretamente relacionada ao bem-estar. E entre os ritmos mais consagrados e mais bonitos do Brasil, reconhecido mundialmente, está o samba. Uma das vozes mais queridas desse ritmo é Teresa Cristina, convidada da Angélica esta semana.

Em 2020, no complicado início da pandemia, a sambista fez das suas lives diárias um lugar de afeto e acolhimento – e também de muita paquera, o que virou entre os seguidores uma espécie de aplicativo de namoro. Se por um lado, Teresa ajudou a aliviar o momento de caos para tantos com a sua voz, por outro a música também era o que a tranquilizava. “Eu tentei ver as séries que eu via, não consegui. Tentei ler livros, não consegui. O que me relaxava era música, de qualquer tipo.” 

“O samba me deixa viva”

Falando em relaxamento, as praias são um lugar que as pessoas vão para descontrair e muitos frequentadores costumam colocar sonzinho para tocar enquanto tomam sol. Porém, uma nova lei da cidade do Rio de Janeiro proíbe os banhistas de levarem caixas de som a esses espaços.  Tereza comenta. “Para mim, praia combina com pagode. Pensa: praia, cerveja e raça negra. Mas também já percebi músicas com letras pesadas tocando e crianças ouvindo”, relembra. “Pensando no coletivo, acho que foi uma decisão assertiva.” 

+ Leia também: As linguagens do amor
+ Leia também: Dona Jacira: “Eu sou uma fagulha de esperança”

As duas também falaram sobre o retorno aos palcos e a volta do contato direto com o público. Teresa estava com saudade dessa vibração, assim como a das rodas de samba, mas confessa que no segundo caso ela prefere participar como ouvinte, porque é só diversão. “Eu tô ali e eu tô viva. O samba me deixa viva.”

Entre os sonhos musicais a serem realizados, a sambista revela um. “Eu quase realizei este ano: cantar com o Chico”. Ela recorda que fez a proposta para o colega cantar com ela no show da Mangueira deste ano. Ele topou, mas a configuração do show acabou sendo outra. “Falei até para o diretor: ano que vem vocês vão me chamar de novo porque eu vou cantar com o Chico Buarque. Teresa se diz Tímida, mas Angélica brinca que a vergonha naquele momento foi embora. A sambista rebate: “Estou me permitindo a deixar felicidade chegar.” 

Veja também