Nosso Mundo

Como ter uma alimentação mais saudável gastando menos

Em tempos de inflação e produtos ultraprocessados, donas de casa dão dicas de como escapar do miojo, comer melhor e ainda economizar

Nosso Mundo / Reportagem Por:
9 minutos

“Não existe justificativa para comer miojo”, diz a dona de casa Josefa Soares, 50, moradora de Sussuarana, em Salvador, mais conhecida como Jô. Com a alta dos preços, a horta no quintal, reaproveitar alimentos e frequentar a xepa em supermercados e feiras livres são algumas das dicas de donas de casa para economizar nas compras, escapar de produtos industrializados e manter a saúde.

A crítica de dona Jô ao produto se dá por conta da massiva utilização dele no cardápio do brasileiro em tempos de inflação. Segundo levantamento da Associação Mundial de Macarrão Instantâneo, o consumo do miojo teve alta de 11% em 2020, no país, em relação ao ano anterior. Foram cerca de 2,7 bilhões de porções de miojo consumidas no Brasil. Contudo, a opção, prática e econômica, não é considerada saudável.

“As famílias, principalmente pretas e pobres, infelizmente têm precisado fazer escolhas muito difíceis para conseguirem se alimentar”, observa a nutricionista Rejane Viana, que faz um alerta sobre os perigos do consumo desses produtos. “Substituições de carnes por salsicha e mortadela, arroz por macarrão, aumentar consumo de miojo, comer mais biscoitos que raízes, acrescentar farinhas para render e dar mais sustância, reduzir leites e queijos, trocar manteiga por margarina, reduzir o número de refeições, enfim, tudo isso claramente se repercute na saúde, aumentando o risco de nutricídio, que são formas de morrer através da alimentação”, diz Rejane.

“É ótimo acompanhar o processo da nossa comida e não tem ciência no plantio. Você colhe da sua hortinha e adiciona na comida ou naquele suco verde”

Dona Jô, que considera o consumo de miojo inaceitável, indica alimentos como o cuscuz por ser igualmente barato, render mais refeições e ser mais nutritivo. “Você pode fazer uma sopa, um cuscuz, um omelete com o resto da comida que sobrou meio-dia”, indica. E exemplifica: “No almoço, pode ser feijão, arroz, um tipo de salada que tenha verdes, pois é muito importante para nossa nutrição, como alface, repolho, acelga. O alface é a melhor opção, já que é um produto muito barato”.

+ Veja também: Como mudar sua casa sem gastar nenhum centavo

De olho nos preços e em uma alimentação mais saudável, a dona de casa Roseni do Nascimento, 39, ou Rose, como prefere ser chamada, resolveu investir no cultivo da sua própria horta. “Sempre gostei muito de plantas, elas tornam o ambiente mais leve e gostoso. Então, com o absurdo dos preços decidi expandir meu olhar. Agora cultivo hortelã, algumas suculentas e temperos que posso aproveitar com as raízes que compro na feira”.

A moradora do Nordeste de Amaralina, em Salvador, se diz satisfeita com os resultados. “É ótimo acompanhar o processo da nossa comida e não tem ciência no plantio. E ao invés de comprar o monte de hortelã, você colhe da sua hortinha e adiciona na comida ou naquele suco verde”, indica Rose.

A dona de casa Roseni do Nascimento e seus legumes comprados por R$ 3
@Bruna Rocha/Agência Mural

Para manter uma alimentação equilibrada mesmo na crise, a autônoma Ana Paula de Jesus, 42, tem suas estratégias. “Estou sempre buscando pechinchar na feira aqui do Nordeste de Amaralina, costumo ir entre 10h30 e 11h00 horas porque os valores são mais baixos e encontro beterrabas, cenouras, batatas e outras verduras com boa qualidade, mas precisei reduzir a quantidade de carne”. Para substituir a carne, dona Jô costuma explorar sementes que são fontes de proteína, a exemplo da adição de quinoa e amaranto no preparo do arroz. Assim como cozinha a lentilha e o grão de bico separadamente para adicionar em receitas com soja e feijão fradinho.

A nutricionista Rejane Viana recomenda que a substituição no cardápio inclua ovos e frango, que têm custos reduzidos quando comparados com carnes e peixes. Ela também indica, uma a duas vezes na semana, o consumo de vísceras, como fígado e moela e revezar até dois dias para almoço sem carne, investindo em proteínas de origem vegetal, presentes no feijão, soja, grão de bico, lentilha e outras leguminosas.

Dados do Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto Pandêmico, divulgados neste ano, apontam que 55,2% da população brasileira, ou seja, mais da metade do povo, passava por alguma insegurança alimentar no final de 2020. “Aqui em casa separamos o dinheiro das compras para o mês e quando vai acabando ficamos sem, vamos segurando a boca, porque com o pouco salário não sobra dinheiro para repor. O jeito é esperar chegar o próximo mês e fazer as compras”, contou a dona de casa Ana Paula.

Inflação e saídas

O relatório “O Estado da Segurança Alimentar e Nutricional no Mundo 2021” das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) apontou que 23,5% da população brasileira, entre 2018 e 2020, deixou de comer por falta de dinheiro ou precisou reduzir a quantidade e qualidade dos alimentos ingeridos.

Dona Jô prepara refresco com limão e maçã e vitamina com bananas congeladas sem leite
@Joyce Melo/Agência Mural

A inflação, responsável pelo aumento dos preços, está próxima a 10%. O economista Cairo Andrade explica que a taxa causa o aumento generalizado dos preços e ocorre, por exemplo, quando muitas pessoas começam a procurar um mesmo produto, ou quando por algum motivo produtivo a mercadoria torna-se difícil de encontrar. Segundo Andrade, a alta também está relacionada à negociação dos gêneros alimentícios produzidos no Brasil (soja, arroz, carne bovina, café) diretamente na bolsa de valores, pois quanto mais outros países compram, menos sobra para o consumo interno.

O economista ainda aponta outras razões que impactam nossa economia, como a cotação dos produtos em dólar, considerando a desvalorização do real diante da moeda estrangeira, e a atual crise hídrica em paralelo com a alta dos preços dos combustíveis e energia (gasolina, gás de cozinha). Andrade entende que não existe fórmula mágica para a população pobre enfrentar e sair dessa crise, mas ressalta a importância de fomentar a economia local.

“Tem que comprar frutas e verduras em lugares no bairro que têm muitas opções, e você pode fazer uma pesquisa sem precisar de transporte”,

“É preciso adotar a estratégia de comprar o máximo de mercadorias possíveis nas mãos de pessoas que se assemelham com a gente. O efeito é gerar emprego e renda dentro da própria comunidade, ao invés de ir para as mãos de grandes empresas multinacionais que não tem nenhum compromisso com a sociedade”, disse ele.

Dona Jô é uma dessas consumidoras atenta aos preços locais. “Tem que comprar frutas e verduras em lugares no bairro que têm muitas opções, e você pode fazer uma pesquisa sem precisar de transporte”, diz dona Jô. Pesquisando, ela viu que o melhor dia para comprar frutas e verduras em Sussuarana era terça e quinta-feira, quando consegue 50% e até 70% de desconto em frutas e verduras mais maduras que não chegaram na hora.

+ Veja também: 7 plantas que você não vai conseguir matar

O melhor dia é o dia da xepa, que é quando as sobras dos alimentos precisam ser vendidas ou são descartadas. Saber os horários e dias da xepa é o grande segredo da economia para dona Jô. A dica dela para aproveitar o baixo preço de alimentos mais maduros e não desperdiçar é congelar. “Após higienizar, é preciso cortar, guardar em vasilhas e congelar, assim é possível consumir em até três meses, utilizando por exemplo, bananas, mangas, goiabas etc em sucos, vitaminas, geleias e outras receitas”, indica.

Dona Rose cuidando da sua horta caseira
@Bruna Rocha/Agência Mural

“Abóbora eu cozinho e boto no congelador, mas as outras verduras aguentam. Se no caso achar que o tomate é bem maduro, faço a higienização e faço o molho de tomate. A última vez que comprei foi a R$ 0,79 o quilo. Comprei mais de quatro quilos e fiz meu extrato de tomate. Basta colocar para cozinhar, é muito mais saudável, não tem química nenhuma. Além de mais barato”, explicou dona Jô.

Ela contou também como tem substituído o leite nas refeições. “É só colocar qualquer tipo de semente de molho e no outro dia passar no liquidificador para substituir o leite, que foi um dos itens que aumentou muito o preço. Pode fazer o leite de banana também, você pega a banana, coloca no congelador, no outro dia pega a porção de banana, bate no liquidificador com água, aí já é um leite maravilhoso que tem mais cálcio ainda do que o próprio leite, pode ser consumido com chocolate em pó, outras frutas, e em vitaminas”, receita.

Conforme a nutricionista Rejane, a preocupação com a alimentação é fundamental e alerta: “Manter uma alimentação com baixos níveis de qualidade tem impactos diretos na saúde. A pouca qualidade dos alimentos podem trazer doenças crônicas como problemas cardiovasculares (hipertensão, colesterol elevado), obesidade e diabetes, baixa disposição do corpo, prejuízos no desenvolvimento físico e mental, além da má nutrição em caso de idosos e gestantes”, diz. E conclui com uma dica importante na hora de escolher a alimentação. “Descascar mais e desempacotar menos”, resume Rejane.

DICAS DA ROSE PARA INICIAR SUA PRÓPRIA HORTA

  1. Pegue a raiz do tempero que deseja cultivar (ex: hortelã) e ponha em um copo d’água;
  2. Após dois ou três dias, retire e ele estará com raiz;
  3. Separe uma vasilha antiga e faça cinco furos no fundo. Eles irão ajudar na fluidez da água e ventilar as raízes;
  4. Consiga uma quantidade de terra suficiente para encher o recipiente;
  5. Fortaleça sua terra colocando alguns adubos caseiros, como ovos e resto de verduras;
  6. Molhe diariamente sua planta entre 6h e 7h da manhã, quando o Sol ainda está fraco;
  7. Realize esse trabalho diário e logo você terá bons frutos!

Veja também